Serviços Conectados

Rádio

Followers

Link-me

Postagens populares

Publicidade

Tecnologia do Blogger.
I made this widget at MyFlashFetish.com.

Dia Internacional do Livro Infanto Juvenil!

Postado por Psicologa Fernanda Nascimento domingo, 1 de abril de 2012


Ler é cultura!

  A leitura é o meio mais formal de transformar o individuo num ser intelectual, é através do mundo da leitura que   as crianças descobrem os segredos escondidos da vida, da sociedade, e se tornam mais  integrantes do mundo social.

  Essa data foi escolhida em homenagem ao grande escritor Hans Christian Andersen, que nasceu nesse dia na Dinamarca.Não importa se os livros são ilustrados ou não, o importante é saber que os livros servem de canal para abrir o mundo das crianças, envolvendo-as no meio cultural, sendo conhecedoras  de cada movimento da arte e dos valores que cada mundo representa.


  Os livros internacionais são diversificados, sendo cada um com temas diferentes, é um verdadeiro mundo mágico de contos de fadas, lendas, fábulas ou histórias de aventuras, mesmo que não tenham sido escritos exclusivamente para as crianças, são classificados como infantis os livros que são lidos e apreciados por elas. 
   
Segundo o IBGE essa data tem uma história importante, vamos entender!

12 de março




Datam do século XV os primeiros livros impressos, como por exemplo o Livro de Boas Maneiras (A Book of Courtesy, 1477), do impressor inglês William Caxton.



Antes disso, consta que o que se lia para as crianças na Idade Média eram os manuscritos para formação religiosa e as histórias da vida dos santos. Geralmente, preceitos de vida vinham inseridos nas narrativas das fábulas, como nas Fábulas de Esopo, que falam do cotidiano, onde os animais têm características dos homens e, satirizando o comportamento destes, transmitem verdades sobre a natureza humana.

Do século XVII veio o primeiro livro ilustrado para crianças (O mundo dos sentidos em pinturas, 1654) do pedagogo Comenius; também os Contos da Carochinha do francês Perrault, já traduzindo as narrativas de tradição oral: Chapeuzinho Vermelho, A Bela Adormecida no Bosque, A Gata Borralheira, O Pequeno Polegar.

Do século XVIII vêm As Mil e Uma Noites, conto árabe com versão em francês de Galland, e também os livros de aventuras para adultos que fizeram sucesso entre crianças e jovens como Robinson Crusoé (1719), de Daniel Defoe e As Viagens de Gulliver (1726), de Jonathan Swift.





No século XIX duas obras marcariam para sempre a história do livro infantil: a primeira, Histórias para as Crianças e a Família (mais conhecida como Contos de Grimm), um trabalho de pesquisa dos irmãos Jacob e Wilhelm Grimm, estudiosos da língua alemã, com as narrativas populares e de fonte na mitologia nórdica recolhidas por eles: Branca de Neve e os Sete Anões, João e Maria, Os Músicos de Bremen.

A segunda, Contos de Fadas, do dinamarquês Hans Christian Andersen, que popularizou para a eternidade O Patinho Feio e O Soldadinho de Chumbo.

Considera-se que, com os bichos e os objetos falantes, os contos de fadas mudaram a história do livro infantil: deram o tom lúdico, porque, até então, só se escrevia para crianças de forma didática.


Os grandes livros e clássicos também vêm do século XIX: Alice no País das Maravilhas e Alice no País dos Espelhos, de Lewis Carroll; As Aventuras de Pinóquio, de Carlo Lorenzini, sob o pseudônimo de Carlo Collodi. E os livros para jovens, os romances de Walter Scott e Alexandre Dumas, Charles Dickens e Mark Twain e Rudyard Kipling. E toda a obra do francês Júlio Verne (Viagem ao Centro da Terra, Vinte Mil Léguas Submarinas, A Volta ao Mundo em 80 Dias), primeiras obras do gênero ficção científica.



Nossa literatura voltada para as crianças também é fruto da miscigenação da nossa formação cultural, uma mistura da literatura oral trazida pelos portugueses, das histórias contadas pelas amas escravas africanas que se somaram aos personagens do folclore nativo.

Tivemos também muitas traduções dos clássicos estrangeiros. Porém, para abrir espaço aos autores nacionais, contribuíram muito os jornais infantis e principalmente a revista Tico-Tico, a partir de 1905, que existiu por quase meio século, lançando vários bons autores brasileiros.



        
          Um dos mais notáveis de nossos autores de livros infantis foi Monteiro Lobato. Paulista de Taubaté, ele nasceu em 18 de abril de 1882.

    Alfabetizado pela mãe, consta que leu tudo o que havia para crianças em língua portuguesa e também os livros do seu avô, o Visconde de Tremembé.

    No colégio, fundou vários jornais. E usava pseudônimos. Monteiro Lobato graduou-se em Direito, por vontade do avô. Foi promotor, casou-se, teve filhos e viveu em cidades do interior, sempre colaborando em jornais e revistas.

      Herdou a fazenda do avô e lá escreveu "Jeca Tatu". Depois, "Urupês", o primeiro de uma série de livros para adultos. Antes das edições de Monteiro Lobato, nossos livros eram impressos em Portugal. Ele criou a "Monteiro Lobato & Cia" que depois, sem ele, virou Companhia Editora Nacional.

      Monteiro Lobato insistia em chamar a atenção para os valores e potencialidades do Brasil e para a importância de explorar as jazidas de petróleo que acreditava que o país possuía e que, em sua opinião, contribuiriam para melhorar as condições de vida dos brasileiros.

       A partir de 1921, quando se dedicou a escrever para as crianças, Monteiro Lobato criou o Sítio do Pica-pau Amarelo e aqueles que se tornariam os mais célebres e queridos entre todos os seus personagens, misturando fantasia e realidade, e a maior das contribuições que pôde dar à nossa literatura: a boneca Emília, Pedrinho, Narizinho Arrebitado, Visconde de Sabugosa, Dona Benta, Tia Nastácia, Marquês de Rabicó.





 Os inúmeros textos de teatro para crianças de Maria Clara Machado puderam ser trazidos a público pelo seu grupo de teatro experimental O Tablado, fundado em 1952. De seus textos, talvez o mais visto seja "Pluft, o fantasminha" (sobre um fantasma com medo de gente), um texto para sempre atual, que foi ao palco pela primeira vez em 1955 e até hoje é lido e encenado para crianças.

  Maria José Dupré, Francisco Marins, os poetas Cecilia Meireles e Vinicius de Morais, Orígenes Lessa, Lygia Bojunga Nunes, Ziraldo, Ruth Rocha, Ana Maria Machado, Silvia Orthof estão entre os célebres, importantes e premiados autores que escreveram e escrevem para crianças.



      Dia Internacional do Livro Infantil


                   
             Hans Christian e um de seus principais personagens – O Patinho Feio

A literatura infantil surgiu no século XVII, no intuito de educar as crianças moralmente.
Em homenagem ao escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, foi criado o dia internacional do livro infantil, que é comemorado na data de seu nascimento, 02 de abril; em virtude das inúmeras histórias criadas por ele.
Dentre as mais conhecidas mundialmente estão “O Patinho Feio”, “O Soldadinho de Chumbo”, “A Pequena Sereia” e “As Roupas Novas do Imperador”.
A data é conhecida e comemorada mundialmente, em mais de sessenta países, como forma de incentivar e despertar nas crianças o gosto pela leitura.
Tanto os clássicos da literatura infantil quanto os livros somente ilustrados, proporcionaram o desenvolvimento do imaginário das crianças, bem como o aspecto cognitivo, desenvolvendo seu aprendizado em várias áreas da vida.
As histórias reportam valores morais e éticos, que levam o sujeito a repensar suas atitudes do cotidiano, numa reflexão que pode modificar sua ação, tornando-a melhor enquanto pessoa.
Segundo Humberto Eco – escritor, filósofo e linguista italiano – a literatura infantil traz sentido aos fatos que acontecem na vida, envolvendo as crianças. Dessa forma, "qualquer passeio pelos mundos ficcionais tem a mesma função de um brinquedo infantil.
As crianças brincam com a boneca, cavalinho de madeira ou pipa a fim de se familiarizar com as leis físicas do universo e com os atos que realizarão um dia".
Todos os anos a Internacional Board on Books for Young People, oferece o troféu “Hans Christian”, como sendo o prêmio Nobel desse gênero, algumas escritoras brasileiras já foram homenageadas, como Lygia Bojunga, no ano de 1982, e Ana Maria Machado, em 2000.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola















Um comentário:

  1. Gostei muito do seu blog!Me identifiquei porque escrevi duas histórias infantis! Parabéns e muito sucesso!

    ResponderExcluir

Não só comente! Elabore uma grande critica ou opinião favorecedora!

Buscar

Translator

Hora

Psicologa

Psicologa
Sou Funcionária Pública Federal e Psicóloga Graduada na Faculdade CESMAC, especializada nas áreas Jurídica, Clínica e Escolar. Pós Graduada em Vigilância à Saúde, pela Universidade Federal de Alagoas- UFAL.
Psicologa online?
Estando verde, clique no ícone para contato com Fernanda!

Visualizações no Blog

Histórico

Observação

Para todos visitantes e membros quero logo avisar que as minhas opiniões estão em vermelho em todas as postagens!

Ops: E para terem uma melhor leitura das postagens cliquem no "Continue lendo" dessas postagens e todo conteúdo será esboçado!

Descubra o que se passa em:

http://www.bispomacedo.com.br

Agregador

LinkLog
Agradeço ao LinkLog pelo grande tráfego de visualizações que me tem concedido!
Ocorreu um erro neste gadget
Fique sempre atualizado!
Cadastre-se e receba nossas novidades em seu e-mail.
Widget by MundoBlogger Instale este widget
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...